segunda-feira, 8 de junho de 2009
















Dialogue in a room - Mitsuyoshi Haruguchi

Gaveta

Na gaveta guardam-se os tempos das colheitas,
as cartas que se liam como quem come romãs
e receia engrossar as bocas trémulas temerosas.
Na gaveta guardam-se todas as fotografias impessoais,
os amigos que só existem a preto e branco
ou nas curtas-metragens inverosímeis de ficção.
Na gaveta guardam-se as chaves improváveis,
os revólveres devastadores do sonho estropiado
e as mãos quietas desprovidas de linhas sibilinas.
Na gaveta guardam-se todos os bilhetes dos comboios
que ousando atravessar a inimaginável noite
partiram daqui do peito e chegaram a lugar incerto.
.

1 comentário:

contador antropomórfico disse...

Gostei particularmente deste, talvez por afinidade com a improbabilidade das chaves das gavetas... :-)